Weby shortcut
Youtube

Marcela Peixoto dos Santos

Ecologia reprodutiva de Hypsiboas albopunctatus (Spix 1824) (Anura, Hylidae) no município de Cocalzinho de Goiás, leste do estado de Goiás.

Marcela Peixoto dos Santos

Resumo:
Estratégia reprodutiva pode ser definida como o conjunto de atributos fisiológicos, morfológicos e comportamentais que levam ao número máximo de descendentes sob condições ambientais específicas. Dentre os grupos de vertebrados, os anfíbios apresentam a maior diversidade de estratégias reprodutivas; para os anuros, mais de 30 modos já foram descritos, sendo que a maior diversidade de modos reprodutivos se encontra na região Neotropical. A maioria dos anuros é capaz de se reproduzir ao longo do ano, sendo que a chuva é o principal fator regulador, enquanto que a luminosidade parece ser o fator que controla o período de atividade reprodutiva nas espécies de regiões temperadas. Outros fatores também influenciam a atividade reprodutiva, tais como temperatura, vegetação, presença de predadores, coro de outras espécies e barulho natural do ambiente. Em anuros, a vocalização é considerada importante mecanismo de isolamento reprodutivo e comunicação social, e está presente em quase todas as espécies. A vocalização mais comum é o canto de anúncio, que atrai fêmeas e intermédia interações agressivas entre machos. No entanto, podem ocorrer variações nas características da vocalização de anúncio, o que pode estar relacionado, por exemplo, com padrões de preferência das fêmeas. Além do canto de anúncio, existem ainda outros tipos de canto, tais como o canto de corte, o canto territorial e o canto de encontro. A família Hylidae tem sido usada como modelo para estudo de territorialidade e interações entre machos, incluindo lutas, emissão de canto agressivo e distribuição espacial nos agregados reprodutivos. Ela possui ampla distribuição geográfica, sendo encontrada na América do Norte, Central e Sul, assim como nas Índias Ocidentais, Austrália, Tasmânia, Nova Guiné e Ilhas Salomão. O grupo de H. albopunctatus inclui espécies que apresentam cabeça longa, rudimento do pólex desenvolvido, faltando o tubérculo matatarsal externo. Frost (1985), reconheceu H. albopunctatus, H. multifasciatus Gunther 1859 e H. raniceps como pertencentes ao grupo de H. albopunctatus. H. albopunctatus Spix 1824 é uma espécie comum, de ampla distribuição, sendo encontrada no Brasil Central, Sul e Sudeste brasileiro, e no estado de Rondônia. Ocorre também no nordeste da Argentina e leste da Bolívia, Paraguai e Uruguai. O objetivo geral do trabalho será obter informações básicas sobre a reprodução de Hypsiboas albopunctatus no Sítio Santa Terezinha, município de Cocalzinho de Goiás, leste do estado de Goiás.

<       Voltar       Proximo>>