Weby shortcut
Youtube

Research-Áreas Prioritárias para Conservação da Biodiversidade no Cerrado e em Goiás

Áreas Prioritárias para Conservação da Biodiversidade no Cerrado e em Goiás

Financiamento

               

 
Apresentação

A conservação da Biodiversidade passou a ser uma das principais metas dos pesquisadores e ativistas preocupados com a questão geral do meio ambiente, principalmente considerando que essa conservação implica maior estabilidade, funcionalidade e produtividade dos ecossistemas, importantes para a própria sobrevivência do Homem na Terra. Entretanto, há um certo consenso entre os cientistas de que, sob o pressuposto geral de restrições econômicas para a conservação (tanto do ponto de vista dos recursos disponíveis para conservação como também do quanto a conservação poderia inibir o desenvolvimento sócio-econômico humano), é preciso adotar estratégias ótimas e relacioná-las ao estabelecimento de prioridades para conservação. Os procedimentos de otimização para alocação de estratégias de conservação, por exemplo, apresentam dois problemas básicos: (i) ausência de dados básicos sobre a biodiversidade, a partir do qual os modelos teóricos poderiam ser aplicados, e (ii) a utilização dos resultados obtidos pelas agências governamentais responsáveis pela implementação do sistema, que passa por problemas de viabilização dessa estratégia em função de restrições econômicas e políticas.

O presente projeto, aprovado dentro do novo modelo regional do programa PRONEX do CNPq (proc. No. 23234156, SECTEC-Go/CNPq), pretende solucionar esse problema através das seguintes estratégias:

(i) levantamento e análise espacial dos padrões de biodiversidade do Cerrado, em diferentes níveis da hierarquia biológica;

(ii) utilização de abordagens macroecológicas e computacionais para estabelecer estratégias otimizadas de conservação da biodiversidade, raramente aplicadas no Brasil, que permitem a;

 (iii) minimização dos conflitos entre desenvolvimento econômico e conservação e, deste modo, buscando empregar efetivamente os princípios do desenvolvimento sustentável em escala regional.

Mais especificamente, esses objetivos podem ser alcançados procurando-se:

1. Criar um banco de dados georeferenciado para consolidar informações biológicas, ambientais e sócio-econômicas na região do Bioma Cerrado e que possibilite a avaliação quantitativa dos padrões espaciais de biodiversidade e das melhores estratégias para sua conservação;

2. Compilar dados demográficos e sobre o desenvolvimento sócio-econômico nos cerca de 1080 municípios, distribuídos em 11 Estados do Brasil, inseridos na região do Cerrado, alocando-os na malha definida no item 1;

3. Reunir o máximo possível de informações biológicas sobre diferentes grupos de organismos, com base na coleta de novos dados e também através da revisão da literatura pertinente, alocando-as no banco de dados definido no item 1;

4. Coletar material biológico para consolidar e validar a base definida no item 3, incluindo novos dados sobre variabilidade genética intraespecífica, para diferentes grupos de organismos;

5. Avaliar, para os diferentes grupos de organismos, os padrões de diversidade alfa e beta, correlacionando esses padrões à variabilidade ambiental em grandes escalas, obtida a partir de dados de sensoriamento remoto via sistema MODIS, também previamente alocados no banco de dados definido no item 1;

6. Correlacionar os dados biológicos com indicadores de desenvolvimento econômico e social, permitindo o estabelecimento de “hotspots” e regiões de conflito para conservação da biodiversidade no Cerrado e em Goiás;

7. Aplicar métodos de otimização sobre complementaridade a fim de estabelecer redes de áreas prioritárias para conservação, para diferentes grupos de organismos que apresentem dados espacialmente consolidados, correlacionando-as, e levando em consideração os padrões espaciais de desenvolvimento humano no Cerrado e em Goiás;

8. Comparar as redes otimizadas através de algoritmos computacionais ao sistema de unidades de conservação já existente no Cerrado, permitindo assim a detecção de falhas e o planejamento de alocação de novas unidades;

9. Avaliar como as barreiras geopolíticas entre os Estados do Brasil, inseridos na região do Bioma Cerrado, afetam as decisões para estabelecer uma estratégia geral de conservação, em escala regional, comparando-se redes ótimas estabelecidas para a região como um todo e a obtida considerando as fronteiras entre Estados.

Equipe

Pesquisadores com currículos cadastrados no sistema LATTES do CNPq

NOME

TITULAÇÃO

FUNÇÃO NO PROJETO

1

José Alexandre F. Diniz Filho (UFG)

Dr.

Coordenação geral, análise e processamento de dados

2

Luis Mauricio Bini (UFG)

Dr.

Análise e processamento de dados

3

Rogério Pereira Bastos (UFG)

Dr.

Obtenção e coleta de dados ecológicos

4

Leandro Gonçalves Oliveira (UFG)

Dr.

Obtenção e coleta de dados ecológicos

5

Divino Brandão (UFG)

Dr.

Obtenção e coleta de dados ecológicos

6

Ina de Souza Nogueira (UFG)

Dra.

Obtenção e coleta de dados ecológicos

7

Ronaldo Angelini (UEG)

Dr.

Obtenção e coleta de dados ecológicos

8

Adriana Rosas (UEG)

Dr.

Obtenção e coleta de dados ecológicos

9

Fausto Miziara (UFG)

Dr.

Obtenção de dados sócio-econômicos

10

Laerte Guimarães Ferreira (UFG)

Dr.

Sensoriamento Remoto

11

Breno de Faria e Vasconcellos (UCG)

Dr.

Obtenção e análise de dados genéticos

12

Mariana Pires de C. Telles (UCG)

Dr.

Obtenção e análise de dados genéticos

13

Nelson Jorge da Silva Jr. (UCG)

Dr.

Obtenção e coleta de dados ecológicos

14

Carlos Eduardo R. de Sant´Ana (CEFET)

Dr.

Obtenção e coleta de dados ecológicos

15

Marilda Shuvartz Pasquali (UFG)

Mestre

Extensão e educação ambiental

Alguns resultados iniciais

Diversos trabalhos de Mestrado, Doutorado e Iniciação Científica estão sendo desenvolvidos no contexto do programa PRONEX. Dentro de um contexto de ‘Biogeografia da Conservação’, as análises têm sido realizadas a partir de uma malha de 1o* 1o de latitude e longitude cobrindo o bioma (FIG. 1). Para cada uma dessas células, estão sendo coletadas informações sobre clima e ocupação humana (ie., dados demográficos e sócio-econômicos provenientes do IBGE) (FIG. 2), permitindo avaliar os chamados ‘conflitos de conservação’. Além disso, as distribuições geográficas das espécies de diferentes grupos de organismos estão sendo mapeadas sobre essa base. Os dados básicos para mamíferos, aves e anfíbios estão em fase final de processamento.

FIG. 1 – Mapa base utilizado para obtenção de dados no PRONEX

FIG. 2. Esquema de obtenção de dados e avaliação de conflitos de conservação

Alguns artigos já foram publicados, envolvendo principalmente padrões de diversidade dos anfíbios anuros no Cerrado. De um modo geral, a riqueza de espécies de anuros no Cerrado está concentrada na região sul-sudeste do bioma, tanto para o total de espécies como para as espécies endêmicas (FIG. 3). Esse padrão está significativamente correlacionado com os padrões de ocupação humana no Cerrado (FIG. 4), conforme também demonstrado por nossa análise espacial das datas de descrição das espécies (Diniz-Filho et al. 2005a). Em função disso, pode-se pensar em como esses padrões de conflito de conservação poderiam ser resolvidos (ver Diniz-Filho et al. 2006) e como estrategias de otimização, em um contexto de biogeografia da conservação, poderiam ser implementadas (Diniz-Filho et al. 2006, in press). Mais importante, essa correlação pode refletir também padrões de falta de conhecimento sobre a anurofauna. Neste caso, uma estratégia possível é utilizar procedimentos de simulação para prever como a descoberta de novas espécies alteraria os padrões atuais de distribuição espacial das áreas prioritárias para conservação (Bini et al. 2006).

FIG. 3. Padrão de diversidade de anuros no Cerrado (B, acima) e população humana no ano 2000 (A, abaixo)

A partir de uma análise de complementaridade utilizando uma rotina de ‘simulated annealing’ implementada pelo software SITES, foi possível estabelecer os padrões de insubstituibilidade ao longo do bioma, com base nos dados de distribuição dos anuros (FIG. 4) (ver Diniz-Filho et al. 2005b para detalhes). Esse padrão foi obtido pelo mapeamento da sobreposição de 97 soluções ‘ótimas’, cada uma delas com 17 regiões, que conservam todas as espécies de anuros em pelo menos 1 célula. Essas soluções são, de um modo geral, bastante similares em termos espaciais, mas é possível selecionar a solução, por exemplo, que contém a menor população humana dentro dela.

FIG. 4. Padrões de insubstituibilidade (A) obtidos pela combinação de 97 soluções ótimas por simulated annealing no SSM do sites e (B) solução com menor população humana total.

Outros trabalhos estão sendo desenvolvidos no contexto, no sentido de ampliar as análises apresentadas rapidamente aqui, principalmente no que se refere à obtenção de dados para outros grupos de organismos, refinamento do conhecimento das distribuições geográficas utilizando técnicas de nicho (GARP) e ampliação das estratégias de análise. Em uma outra linha de pesquisa, estão sendo analisados padrões de diversidade genética em diversos organismos da região.